Defendemos uma Política de Verdade e quisemos uma Lisboa com Sentido. Neste novo ciclo político nasce o Crónicas Lusitanas, de militantes e simpatizantes do PPD/PSD, que querem que este seja um espaço de liberdade, debate e opinião, e sem asfixias..

21
Mai 10

 

 

Com a devida vénia à JSD...

Crónica de Rodrigo Mello Gonçalves às 16:29

06
Mar 10

Este foi o discurso de Jorge Sampaio ao país em 10 de Dezembro de 2004.

 

Com ligeiras, muito ligeiras mesmo, adaptações, este poderia ser o discurso de Cavaco Silva ao país, já amanhã...

 

 

"Entretanto, desde a posse do XVI Governo Constitucional, e depois de lhe ter assegurado todas as condições necessárias para o desempenho da sua missão, o País assistiu a uma série de episódios que ensombrou decisivamente a credibilidade do Governo e a sua capacidade para enfrentar a crise que o País vive.

Refiro-me a sucessivos incidentes e declarações, contradições e descoordenações que contribuíram para o desprestígio do Governo, dos seus membros e das instituições, em geral. Dispenso-me de os mencionar um a um, pois são do conhecimento do País.

A sucessão negativa desses acontecimentos impôs uma avaliação de conjunto, e não apenas de cada acontecimento isoladamente. Foi essa sucessão que criou uma grave crise de credibilidade do Governo, que surgira como um Governo sucedâneo do anterior, e relativamente ao qual, por conseguinte, as exigências de credibilidade se mostravam especialmente relevantes, e, como tal, tinham sido aceites pelo Primeiro Ministro. Aliás, por diversas vezes e por formas diferentes, dei sinais do meu descontentamento com o que se estava a passar.

A persistência e mesmo o agravamento desta situação inviabilizou as indispensáveis garantias de recuperação da normalidade e tornou claro que a instabilidade ameaçava continuar, com sério dano para as instituições e para o País, que não pode perder mais tempo nem adiar reformas.

Criou-se uma instabilidade substancial que acentuou a crise na relação de confiança entre o Estado e a sociedade, com efeitos negativos na posição portuguesa face aos grandes desafios da Europa, no combate pelo crescimento e pela competitividade da economia, na solidez e prestígio das instituições democráticas.

A insustentável situação a que se chegou – e que certos comportamentos e reacções dos últimos dias só têm contribuído para confirmar – mostra que as tendências de crise e instabilidade se revelaram mais fortes que o Governo e a maioria parlamentar, que se tornaram incapazes de as conter e inverter. Neste quadro, que revelou um padrão de comportamento sem qualquer sinal de mudança ou possibilidade de regeneração, entendi que a manutenção em funções do Governo significaria a manutenção da instabilidade e da inconsistência. Entendi ainda que se tinha esgotado a capacidade da maioria parlamentar para gerar novos governos.

Assim, e face a uma situação cuja continuação seria cada vez mais grave para Portugal, entendi, em consciência, que só a dissolução parlamentar representava uma saída."

 

Crónica de Rodrigo Mello Gonçalves às 23:46

09
Fev 10

 

 

http://todospelaliberdade.blogs.sapo.pt/

 

Crónica de Rodrigo Mello Gonçalves às 08:47

20
Jan 10

 

Gala Mais Portugal  Cabo Verde: Dois Povos, Uma Língua, Um Palco 
 

A Associação Mais Portugal - Cabo Verde realizou, na noite de segunda-feira,  dia 18 de Janeiro, no Coliseu dos Recreios de Lisboa, a I Gala Mais Portugal – Cabo Verde. O espectáculo, que foi apresentado por Maria João Silveira e transmitido em directo pela RTP-África,  contou, entre outros convidados, com a participação dos músicos Boss AC, Miguel Ângelo, Rui Veloso, Miguel Gameiro, Tito Paris e Sandra Horta, entre muitos outros convidados.

 

A Associação Mais Portugal-Cabo Verde, tem como Presidente honorário o Dr. Carlos Veiga - destacado político e reformador obreiro da democratização de Cabo Verde - e é liderada pelo Dr. Nuno Manalvo.

 

Durante a Gala foram entregues os prémios Mais Portugal-Cabo Verde, da autoria da Pintora Graça Morais, atribuídos a personalidades seleccionados pelo júri presidido pelo Dr. João Bosco Mota Amaral, nas categorias de Cultura - Tito Paris; Desporto - Nelson Évora; Empreendedorismo - RTP África; Responsabilidade Social - Associação de Solidariedade Social/ASSOMADA e, ainda, os prémios Prestígio 2009 e o Prémio Carreira.

 

Uma língua, dois povos, um palco foi, por assim dizer, o mote que fez convergir ao Coliseu dos Recreios uma multidão que celebrou  a amizade dos povos de PORTUGAL e CABO VERDE.

 

Em minha opinião, este tipo de acções, fazem mais pela língua portuguesa no mundo e pela lusofonia do que muitas outras "acções de gabinete".

 

Está pois, uma vez mais, de parabéns Nuno Manalvo, Presidente da Associação MAIS PORTUGAL-CABO VERDE, por mais esta iniciativa em apoio e no reforço da lusofonia.

 

Recorda-se que, Nuno Manalvo, lançou recentemente, na cidade da Praia e no Grémio Literário, em Lisboa, sob a chancela da Alêtheia Editores e com a presentação do Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa,  a obra «CARLOS VEIGA: BIOGRAFIA POLÍTICA».

 

Carlos Veiga, criador do MpD – que, na esteira da queda do muro de Berlim, conseguiu romper com o siste­ma de partido único em Cabo Verde –, foi o primeiro chefe de governo escolhi­do em eleições multipartidárias, exercendo o cargo de primeiro-ministro entre 1991 e 2000. Em 2009, regressou á liderança do Movimento para a Democracia (MpD), maior partido da oposição, nove anos depois de abandonar o cargo para concorrer às eleições presidenciais.

 

Estou certo que o Dr. Carlos Veiga tem, ainda, um significativo potêncial para pôr ao serviço de Cabo Verde e da amizade entre o povo de Cabo Verde e de Portugal.

 

CARLOS VEIGA, Um nome a ter em conta no futuro de Cabo Verde. 
 

 

Crónica de José Cal Gonçalves às 00:51
: MORNAS DE CABO VERDE

25
Dez 09

Tenho acompanhado, com a devida atenção, a decisão, de Pedro Santana Lopes, de recolher as assinaturas necessárias à convocação do congresso extraordinário do PPD/PSD.

 

Concordo que é preciso e urgente debater o projecto do PPD/PSD, para o futuro.

 

Pese embora as críticas que, de vários quadrantes, de tempos a tempos lhe são feitas - eu próprio discordei, em vários momentos, da sua opinião  - uma coisa é certa, estamos perante um dos políticos mais combativos e mais participativos do PSD  e, em geral, da nossa vida política.

 

Quem, em Portugal e ao fim de tantos anos,  após tantas vitórias e derrotas, consegue manter-se, desta forma, permanentemente na zona de rebentação das ondas? 

 

Muitos criticam, outros têm inveja, outros fogem e outros, ainda, não dão a cara. Mas, o que é certo é que Pedro Santana Lopes, está sempre pronto a contribuir, a apoiar e a projectar o PPD com a coragem de dar a cara e ir à luta...

 

É tempo de todos, sem excepção, aproveitarmos esta oportunidade e sairmos à rua - indo e participando, de todas as formas possiveís, no congresso extraordinário - e, juntos, reconstruirmos um PPD/PSD, em que todos os  portugueses revejam, por nele acreditarem, o projecto de mudança e alternativa que desejam para Portugal.

 

 


Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
blogs SAPO